Andrea Machado

Pinceladas sobre Arte e o que mais faz girar o mundo de gente que gira o planeta.

No ateliê de Portinari

A vida em sua mais tenra idade o levou à Arte e foi na Arte que Portinari encontrou a Morte.
- Andrea Machado
As moças de Arcozelo (1940) - Cândido Portinari
As moças de Arcozelo (1940) - Cândido Portinari

Ele é brasileiro e ainda criança iniciou sua vida na Arte. Aos vinte e cinco, conquista o prêmio de viagem da Escola Nacional de Belas Artes com o retrato do poeta Olegário Mariano. Vai à Itália, Inglaterra, Espanha e em 1929 permanece em Paris por dois anos. Conhece Maria, sua nova estética e os murais. Em 1962 encontra com a Morte, que não mais quis estar presente apenas em suas pinceladas.


Retrato de Maria (1941) - Cândido Portinari
Retrato de Maria (1941) - Cândido Portinari

Cândido Torquato Portinari nasceu em 29 de dezembro de 1903 numa fazenda de café no interior de São Paulo. Filho de imigrantes italianos, cresceu ao lado de onze irmãos e aos seis anos de idade, iniciou seus primeiros desenhos. Aos nove fez parte da equipe que restaurou a Igreja de Brodowski e aos doze, esboçou a lápis um retrato do músico Carlos Gomes. Mudou-se para o Rio de Janeiro aos quinze e lá, destacou-se na Escola Nacional de Belas Artes.

Em 1929, em Paris, deleitando de sua conquista do Salão da ENBA - Escola Nacional de Belas Artes -, surge na vida de Portinari, Maria Martinelli, com quem compartilhou o resto de sua vida.

O interesse por questões sociais o fez retratar a realidade, a cultura e o cotidiano do povo brasileiro, com temas que nos entrelaçam a cada cena.

Em 1954, ainda no auge do seu trabalho, Portinari foi intoxicado pelo uso de tintas. Seis anos mais tarde, a convite da prefeitura de Milão, lançou-se ao trabalho para preparar uma exposição com cerca de 200 obras. Mas em fevereiro do ano seguinte, a doença causada pelas tintas o leva à morte.

MAM - No ateliê de Portinari (1920-1945)

Concebida a partir de recortes que contemplam o período de formação do artista, a exposição "No Ateliê de Portinari (1920-45)" estará aberta ao público até 11 de setembro, na Grande Sala do Museu de Arte Moderna de São Paulo.

A paisagem onde a gente brincou a primeira vez não sai mais da gente, e eu quando voltar vou ver se consigo fazer a minha terra...
- Cândido Portinari
Ronda infantil (1932) - Cândido Portinari
Ronda infantil (1932) - Cândido Portinari
Catequese (1941) - Cândido Portinari
Catequese (1941) - Cândido Portinari
Retrato do poeta Olegário Mariano (1926) - Cândido Portinari
Retrato do poeta Olegário Mariano (1926) - Cândido Portinari
Cana, estudo cromático (1938) - Cândido Portinari
Cana, estudo cromático (1938) - Cândido Portinari
Francisco de Assis (1944) - Cândido Portinari
Francisco de Assis (1944) - Cândido Portinari
Menino morto (1944) - Cândido Portinari
Menino morto (1944) - Cândido Portinari

Marcadores: , , , ,

2 Comentário(s)
Dé, duas telas que falaram alto comigo: "Marias" e "Menino Morto".
Esta sendo um prazer entrar no mundo das artes pelas suas mãos.
Um bjo e sucesso,

Loly
Projetado e desenvolvido por: Mario Sergio Machado.